Pages

domingo, 5 de abril de 2009

Que mundo quero para nossas crianças?


Fiquei com esta idéia na cabeça depois dos emeios de alguns novos amigos de estudo.

Que mundo quero para nossas crianças?

Lembro de ter lido em algum lugar, mas nunca ter anotado (uma pena!), que em certa civilização as crianças eram cuidadas por todos. Quando os adultos se encontravam falavam: Como estão as nossas crianças? Mesmo que eles não fossem mães ou pais de nenhuma. Outra frase é trecho de um livro muito bacana, (ufa! este eu tenho!) na qual a escritora coloca na introdução assim:

"Em Serra Leoa, junto a meu irmão e minha irmã, muita gente me amava, pessoas que tinham também autoridade para me orientar, disciplinar e aconselhar. Quando crianças, tínhamos muitas "mães" e muitos "pais". Tínhamos também muitos "irmãos", compartilhando os cuidados comanuais com os filhos de outras pessoas. Antes de ter meus irmãos e a mim, minha mãe africana já havia criado a sua meia-irmã mais nova e até hoje compartilha a casa com filhos de parentes e amigos. Foi mãe de muitos. Ali importava menos quem "pertencia" biologicamente a quem, porque as crianças pertencem a todos. (...)" Aminatta Forna, Mãe de todos os mitos.

Outra idéia que me empolga é a do filme K-Pax quando o "ET", se podemos chamá-lo assim, descreve sua sociedade. No youtube só achei a parte, específica, em espanhol. Mas dá para entender um pouco. A mesma idéia...que as crianças são cuidadas por todos, aprendendo com todos!




Será quando tomarmos a responsabilidade pelas nossas crianças..todas... Este é meu mundo perfeito!
Então não haverá mais porões escuros, janelas altas e excumungações
O mundo que desejo para as crianças e os adolescentes é aquele que todos possam olhá-los como pertencentes a comunidade, a sociedade e a cultura. Quando uma pessoa resolve bater, abandonar, abusar sexualmente ou até mesmo depreciar uma criança não a trata como um ser-humano, e , sim como um objeto!
Ao passarmos a ver as crianças como responsabilidade de todos, não haverão dedos acusadores somente para os outros, mas também pra nós mesmos. Quantas vezes achamos que o espaço privado do lar é sagrado e escutamos quietos um espancamento...um choro abafado!


Já ouvi este choro em cima de minha cabeça, pequeno, fraco...com o gotejamento de olhos infantis, não, era uma cachoeira que desabou sobre mim, sobre meu silêncio, sobre minha passividade... prometi que nunca mais seria banhada do mesmo crime.

Não passaremos na rua e fecharemos o vidro para as crianças abandonadas. As olharemos de frente tentando identificá-las dentre as listas de desaparecidos, dentre os lares vazios e os corações aflitos dos que as amam. Ah! nós também as amaremos. Não iremos simplesmente adotá-las para serem nossa alavanca de salvação e fama (Isto mesmo Madonna, eu sou contra!).
Este é meu mundo perfeito, piegas talvez. E sei que poderia colocar todas as teorias, te convencer mediante os os casos hor-ri-pi-lan-tes que sei, que sabemos, e calamos entre uma expressão e outra de inconformidades passageiras (afinal precisamos parecer sensíveis)mas não...prefiro pensar que o mundo que quero vai curar todas as feridas abertas, entre a nossa denúncia e o nosso anúncio... seremos então felizes e as crianças, estas, serão nossas responsabilidades!

"Todas as crianças são convencidas de que, entregue nas mãos delas, o mundo seria bem melhor, pois nenhuma delas suporta ver o semelhante com fome, na miséria ou vítima de guerras.
Todos nós deveríamos cultivar para sempre a criança que um dia fomos". Frei Beto


Ana Laura, buscando a criança, o mundo e o melhor...
Observação esta foto é do conflito ocorrido na Chechênia em 1997, para além do cenário me ficou os balões coloridos, o estranhamento da jovem e a esperança do contraste!
As fotos tem autoria, estou buscanado-as...

4 Palavras conexadas:

Nícholas Fernandes Gimenes disse...

ótimo post Ana!

ps. nunca assisti a esse filme K-Pax... fiquei curioso! :)

Taty disse...

Ai essa menina é meu orgulhoooo... Ana Lauraaa já disse que sou sua fã né e vc sabe pq... Te amo amiga...

Taty disse...

Ahhh...eu tb nunca assisti esse filmee...

Ciça disse...

Aah, Ana. Um mundo dos sonhos, que chegaremos lá, mesmo parecendo "ET's"