Pages

segunda-feira, 15 de março de 2010

Quem seriam as pessoas pensantes para Maitê Proença?

Eu não sei por que insisto em assistir televisão?

Ainda mais programa extremamente cultural como o Programa do Faustão!
Pior ainda quando exibem quadros com pessoas altamente inteligentes e respeitosas como Maitê Proença.
Preciso me penitenciar por tantos pecados!
Explico-me. Nossa querida (lê-se: mais uma vez desnecessária) Maitê Proença já tinha me desencantado com aquele vídeo feito em Portugal. De muito mau gosto, a atriz (ou sei lá o que ela é) vai fazendo piadas ridículas em relação ao povo e cultura portuguesa.
Uma vergonha que quase causou problemas diplomáticos entre o Brasil e Portugal. Claro, que ela se retratou e sujou mais a situação!
Tanto disse, na retratação, que o Povo Brasileiro é muito brincalhão (lê-se mal educado) e que zoam o baiano que é indolente, carioca que é malandro...eu hein.
Maitê, querida, a culpa é sua, só sua, benhên!
Bom, mas novamente a Maitê me mata de vergonha! Será que existe interdição por tratamento anti diplomáticos, anti humanistas...

Maitê Proença foi ao Haiti acompanhar o trabalho de médicos brasileiros e depois convidada a falar sobre o assunto no Programa do Faustão. Ela ao fazer um panorama sobre o Haiti tem o desrespeito de dizer que não sabe como se dará a reconstrução do país, devido não ter restado pessoas pensantes. (?!?)
Ela ainda diz que há uma ironia perversa no país: o terremoto primeiro atingiu os bairros ricos, depois todos os prédios do governo e dos poderes e as faculdades de medicinas. Dando a entender que as pessoas que sobraram são justamente os não-pensantes, ou seja, os que não têm a capacidade de governar o país!
Então, só a classe dominante é pensante para Maitê!
Ironia é ela se prestar a um trabalho deste.
Sem comentar a superficialidade com que ela divulga a ONG (tão bem que nem lembro o nome) e trata da saúde dos povos indígenas no Brasil. Faz uma babação de ovo na Missão Brasileira e disserta (emocionada) sobre o único ser pensante no Haiti, um diplomata, que está em busca de outros seres pensantes para re-erguer o país...nesta parte eu pensei que ela ia dizer: Missão Impossível... enfim...enfim (muitas gafes).

Eu odeio fazer estes tipos de críticas. Não gosto de páginas de ódio e prefiro críticas construtivas sobre as situações. Mas me dói esta indignidade com que as pessoas se referem às outras.
Muitas pessoas deveriam ficar em casa ao invés de fazer estes desserviços "humanitários".

Ela chega a fazer uma certa ligação que pessoas não-pensantes se tornam animais. Se não bastasse a desvatidão que ocorreu no Haiti, Maitê tem a pachorra de chamá-los indiretamente de animais.
Zombar dos outros e desumanizar as pessoas, se esse é o objetivo, parabéns Maitê, você é a melhor nisto. Ah! Agradeça que os não-pensantes têm coisas mais importantes para fazer. Porque certo seria que eles pedissem uma retratação.
A animalidade do ser humano está na precarização das condições humanas, todavia é também ela que conduz ascensão de sentimentos genuinamentes humanos como a empatia, a solidariedade e o respeito. Dialeticamente a alienação e consciência convivem.
A brutalização do homem é quando ele não se vê mais parte da humanidade, enquanto ser génerico, e por assim estar, apartado, buscando interesses egoistas e próprios.
Vê o mundo sobre a ótica individual das potencialidades do Eu, tão somente. Eu posso, eu sou...então todos podem e todos são! E se não puderem culpa é deles, não minha!
O Haiti se reergue solidarizando a tragédia. Ricos e pobres se misturam no desastre.
Mas pessoas que não têm muito a dizer compara os outros de acordo com sua ótica estreita de ideologias facistas! Isto sim é animal, desumano e grotesco.
Ana Laura. O mais engraçado que eu li por aí: Se já não bastasse o terremoto ter devastado o Haiti. Deus ainda manda alguém para zombar dele!

5 Palavras conexadas:

Veronica Kraemer disse...

Ana, obrigada pelo carinho e pela participação no sorteio!!!
Beijãoooooooooooooooo e boa sorte!!!
Vero:)

Amiga invisível disse...

Oi Ana Laura!

Cá estou eu para visitar o seu blog e a agradecer o comment deixado no meu!

Adorei este espaço e vou colocá-lo na lista dos blogs que eu leio.

A propósito da Maitê, só tenho a dizer que a sua sanidade mental e educação já tiveram melhores dias....Enfim!

Vou voltar!

Abraço Grande de Portugal para o Brasil!

Amiga invisível

DILERMArtins disse...

Mas bah, guria.
Até já publiquei uma crônica com o título "O poder do clic", esse poder que só o telespectador tem, clicar aquililo que não quer ver, gongar gente que não soma, não surpriende e não agrada!
Concordo com tudo que foi dito em sua postagem, mas por outro lado te digo:Usei meu poder de clic, na segunda pergunta do Faustão eu já estava em outro canal!
Bjs.

ana laura disse...

Isto é verdade...Logo que ela disse:...povo horrível...eu devia ter mudado de canal e evitado o mal-desnecessário que foi esta entrevista!

Ciça! disse...

Oi, Ana!! Há quanto tempo, saudade!

Aaah, essa Maitê. Muito melhor só a carinha dela, e os "papéis" que ela representa, pq, convenhamos, sujeito ela nunca foi.
A dica do clique é ótima, mais do jeito que andamos as coisas não mudam muito de canal, não. Os que não tem isso, não muita coisa a acrescentar tbm.
Enfim, desserviços e descomentários prestam um papel muito grande a degradação de nós mesmo. Afinal, tiramos sarro de tudo, né não? Viver a vida mais leve...
Tais modos de conduta, escondendo as ideologias neoliberais, e facistas (claro!), desacreditam nos serem a-culturados que somos e desqualificam o que elas mesmas produzem, ao mesmo tempo que não exixtiriam sem elas.
Vamos continuar "sendo malandros", "preguiços"... vamos sim.

Um beijo.