Pages

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

O que você seria capaz para realizar um sonho?



Até hoje me lembro de um professor, na matéria de comunicação social, que nos ensinou não só o que significa a palavra iconoclasta como também deu exemplo real de como ser um. Mas para além do seu pessimismo mordaz, aprendi algo que até hoje me desafia: O que você seria capaz para realizar um sonho?
Parecia uma pergunta um tanto descabida para aquele que não acreditava mais em sonhos. Mas ele começava:
Você tem um objetivo. Seja ele qual for. Tudo o que você faz hoje reflete no seu futuro. Então, pergunto, vc está fazendo hoje todas as escolhas possíveis para alcançar seus objetivos, sonhos e ideais?
Este discurso martela na minha mente e me pergunto se nas minhas simples escolhas estão contemplados os meus maiores sonhos. Cotidianamente parece que vou me esquecendo, a sobrevivência me coloca em outras situações, escolhas e futuro. Engraçado como é fácil sair dos propósitos que tínha anteriormente. Tem quem diga que é amadurecer outros que é alienação.
Eu ainda sinto o impacto de sair da universidade, fora de casa, hippie, cheia de utopias. Saboto sempre esta imagem com meus novos costumes e meus novos mecanismos de sobreviver, coisas fúteis se tornaram imprescindível e àquela viagem a Machu Picchu fica cada vez mais distante.
Questiono-me sempre, sempre. Se realmente somos capazes de ser coerente conosco mesmo por uma vida toda. Se os valores são realmente universais ou se isso é apenas um processo...talvez de desumanizar-se, de amadurecer, de revelar-se ou mesmo de enfim tornar a ser enquanto pessoa e não só enquanto indivíduo genérico.
Este mesmo professor terminava as aulas dizendo que quando a mente está em dúvida nada melhor do que um copo de cachaça.
Foto retirada na Bienal da Arte Moderna, São Paulo,em 2010.
Ana Laura, será que é paródia?

2 Palavras conexadas:

Ciça! disse...

Ana,
Quanto tempo, querida!Saudades.
E vem bem a calhar essa minha passada por aqui. Sua angústia me é muito pertinente. Será que somos o que queremos ser?
Enfim, o impacto do fim da gradução me pegou tbm.
E pegando emprestado do Raulzito:
"Duas coisas se misturam
A verdade do Universo
A prestação que vai vencer"
Um dia poderemos SER e não TER?
Um beijo.

Rita disse...

O importante como seu professor ensinou é ser iconoclasta, estilhaçar os muros e os preconceitos que nos querem impor, o resto, bem, o resto vem por acrescimo.